Domingo, Janeiro 29, 2023
InícioUncategorizedCão Cego e Surdo em Abrigo 200 Dias Até Chegar o Veterano...

Cão Cego e Surdo em Abrigo 200 Dias Até Chegar o Veterano de Combate


Steve estava a lidar com a solidão e os efeitos prolongados de múltiplos destacamentos de combate depois de se ter reformado do Exército. O novo melhor amigo do veterano é um cão cego e surdo que passou quase 200 dias em abrigos no Texas antes de encontrar a sua casa.

OS LAÇOS DE IRMANDADE

Steve cresceu no Wisconsin e alistou-se na Guarda Nacional do Exército em 1985. Como filho de um veterano da era da Guerra da Coreia, ele sabia desde cedo que queria servir o seu país.

“Penso que foi sempre a minha vocação. Quando era criança, jogava sempre Exército. Era algo que eu sempre quis fazer”, diz ele.

Os guardas têm tipicamente empregos civis ou frequentam a faculdade enquanto mantêm a sua formação militar em part-time. Embora esse equilíbrio entre a vida militar e civil seja um benefício que apela a muitos, Steve considerou-o insatisfatório.

“Só não estava a sair disto o que pensava que ia sair. Eu queria algo mais”

Em 1997, Steve fez dos militares o seu trabalho a tempo inteiro. Entrou para o Exército no activo e serviu durante dez anos como um pesado soldado de infantaria anti-armador. Os soldados desta especialidade ocupacional militar (MOS) são responsáveis por assaltar e destruir tanques inimigos, veículos blindados, colocações, e armas.

Steve apreciou o seu trabalho e acarinhou os laços que construiu com os seus irmãos de armas.

“Fui a todo o mundo com esse trabalho, e não há nada como a irmandade num esquadrão de infantaria”, partilha. “Estão sempre a olhar uns pelos outros”

FERIDAS INVISÍVEIS DE GUERRA
O trabalho de um soldado de infantaria envolve um grande risco, especialmente em tempos de conflito. Steve destacado para o Médio Oriente em apoio à Operação Liberdade Iraquiana (OIF) em 2003. Enquanto lá sofreu ferimentos causados pela explosão de um dispositivo explosivo improvisado (IED).

Até hoje, o veterano de combate enfrenta a Traumatismo Cerebral (TBI) e o Transtorno de Stress Pós-Traumático (PTSD). Estas feridas invisíveis de guerra podem ter efeitos a longo prazo na memória, no humor e na capacidade de concentração. Outros sintomas podem incluir dores de cabeça, visão, e problemas auditivos.

Ironicamente, foi um ferimento não relacionado com o serviço que acabaria por mudar a direcção da carreira do soldado.

Steve foi colocado na Alemanha após os seus 15 meses de destacamento para o Iraque. Ele gostava de explorar o país na sua bicicleta de montanha enquanto não estava a trabalhar. Numa saída traiçoeira, despenhou-se e foi atirado da sua bicicleta, causando danos significativos no seu pulso.

O ferimento deixou o Steve incapaz de desempenhar adequadamente as suas funções de infantaria. Ele completou o processo de reclassificação e mudou o seu MOS para inteligência militar (MI).

O soldado estava relutante em sair do seu esquadrão de infantaria, mas não tinha escolha. Para sua surpresa, a transição de emprego provou ser mais gratificante do que ele inicialmente esperava.

“O tempo que passei na infantaria ajudou-me realmente a progredir na minha carreira na inteligência militar”, diz ele. “Ajudou-me a compreender o que os comandantes terrestres queriam e precisavam até à inteligência”

COMO PAI, COMO FILHOS
Steve continuou a servir em operações no estrangeiro após ter sido transferido para o campo de inteligência. Ele acabaria por completar mais dois destacamentos de combate. Mas foi uma missão única de manutenção da paz que ele mais se lembra carinhosamente.

“Trabalhei na Península do Sinai com a Força Multinacional e Observadores. Estivemos lá para fazer cumprir o tratado de paz de 1979 entre o Egipto e Israel”, recorda. “Assegurámo-nos de que não haveria violações do tratado entre os dois países”

Enquanto a carreira de Steve MI estava a prosperar, também estava a sua vida na frente da casa. O soldado casou e, com o tempo, ele e a sua mulher decidiram começar uma família. Em 2011, o casal completou a papelada necessária e a formação para se tornarem pais adoptivos licenciados.

Pouco tempo depois, Steve destacou-se para o Médio Oriente durante seis meses. Os futuros pais foram combinados com um par de irmãos muito mais rapidamente do que esperavam.

“A minha mulher recebeu a chamada enquanto eu estava no Afeganistão. Ela começou a promovê-los e eu só os conheci quando cheguei a casa”, partilha.

Na altura, Nathan e Cole tinham, respectivamente, dois anos e um ano de idade. Nathan tem a doença de Coats – uma doença rara da retina – e tem estado cego no seu olho esquerdo desde o nascimento.

Além disso, ambos os irmãos biológicos tinham sido diagnosticados com distúrbio do espectro do autismo (ASD). As crianças com ASD não parecem diferentes dos seus pares, mas frequentemente comportam-se, comunicam, interagem, e aprendem de forma diferente.

Steve vive com os efeitos persistentes – e invisíveis – do TBI e PTSD, e relaciona-se com as necessidades especiais dos seus filhos.

O casal adoptou oficialmente os rapazes dois anos mais tarde. Mal sabiam eles que um cão cego e surdo logo se juntaria à sua família especial.

UM HOMEM DE PALAVRA
Steve reformou-se em Janeiro de 2020, após 13 anos na Guarda Nacional e 23 anos de serviço activo. Viajou por todo o mundo durante uma carreira que se estendeu por quatro décadas. Acabou por se estabelecer no centro do Texas, a uma longa viagem de carro dos seus filhos e agora ex-mulher.

Para muitos veteranos, a transição da vida militar para a civil é um momento desafiante. Steve sentiu falta da camaradagem que partilhou com outros soldados. E os seus rapazes vivem longe demais para passar tempo com eles todos os dias.

O início da pandemia da COVID-19 agravou ainda mais o sentimento de isolamento do novo reformado. E tornou mais difícil encontrar um emprego.

“Eu estava realmente a lutar quando saí do exército pela primeira vez”, recorda Steve. “Precisava de alguém com quem sair, com quem fazer alguma coisa”

O veterano virou os seus pensamentos para as muitas formas como um animal de estimação companheiro pode ajudar a aliviar a solidão. Steve cresceu com animais, e adoptou vários gatos e cães enquanto estava casado. Ele estava pronto para um animal de estimação seu.

Por mais importante que fosse, Steve quis honrar um pacto que fez com Nathan e Cole, agora com 11 e 10 anos de idade, respectivamente.

“Prometi aos rapazes que um dia arranjaria um cão, um que eles pudessem ter em minha casa para que houvesse algo lá quando me viessem ver, também”

A PACIÊNCIA É UMA VIRTUDE
Steve começou a sua busca online de um amigo de quatro patas e acabou por visitar um abrigo perto da sua casa. Embora não tenha encontrado “o tal” nesse dia, foi buscar uma brochura de Animais de Estimação para Patriots.

O antigo analista de inteligência entrou em linha para conhecer a nossa missão e o nosso trabalho. Ficou impressionado com os muitos benefícios que o nosso programa proporciona tanto para veteranos como para animais de estimação de abrigo.

“Há muitas organizações por aí de que penso que se tem de estar desconfiado”, diz ele, “mas eu podia dizer que esta não era uma delas”

Steve estava disposto a levar o seu tempo, embora admita ter ficado desapontado por não ter encontrado logo o cão certo. O veterano de combate reformado sabia que era especialmente importante encontrar um cão que fosse bom com os seus dois filhos.

“Pode demorar algum tempo a encontrar o cão ou gato perfeito. Só tem de levar o seu tempo porque não é algo em que se queira apressar”

Entretanto, Steve encontrou outra coisa para o manter ocupado enquanto procurava um companheiro peludo: um emprego.

A VINGANÇA É UMA BÊNÇÃO
Steve trabalha actualmente como empreiteiro, instruindo analistas de inteligência militar sobre a utilização de sistemas informáticos MI. Ele gosta de voltar a trabalhar com soldados, e o trabalho reafirma algo que aprendeu anos antes.

“Demorei muito tempo a perceber qual era a minha paixão, mas acabei por descobrir porque estava no exército”, partilha. “A minha paixão é ajudar os soldados – cuidando deles, treinando-os, orientando-os”

Steve vê agora que guiar outros ao longo dos anos regressou para lhe pagar de formas inesperadas.

“A maior recompensa é que apesar de estar agora reformado, ainda tenho soldados que me batem e pedem conselhos. Eles verificam-me para ver como me estou a sair. Alguns batem-me e dizem-me que fui muito duro com eles e agora sabem que precisavam disso, e agradecem-me por isso”

O regresso ao trabalho ajudou Steve a estabelecer um novo ritmo de batalha. Acrescentou aos seus dias uma estrutura e interacção social muito necessárias e reacendeu a sua paixão pelo trabalho com soldados.

Mas o veterano do Exército ainda foi para casa, no final do dia, um homem solitário.

“MEU DEUS, ESTE CÃO CABERIA MESMO DENTRO DE NÓS”
Steve verificou regularmente os sítios de abrigo locais até que uma determinada fotografia e perfil o parou no seu rasto. Ele lembra-se vivamente do dia, porque aconteceu que era o Dia dos Veteranos.

Ernie nasceu num rancho, surdo e quase cego. O rancheiro entregou-o a um abrigo, temendo que ele não pudesse proporcionar a um cachorro tais desafios com um ambiente seguro.

“Li sobre as suas necessidades especiais e pensei: ‘Caramba, este cão caberia bem connosco’ Os meus filhos têm necessidades especiais. Sou meio surdo e cego e tenho necessidades especiais. Eu queria mesmo conhecê-lo”

Na altura, a mistura de cães de gado de um ano de idade estava ao cuidado de Texas Humane Heroes, onde tinha sido transferido após passar meses noutro abrigo do Texas.

Desde 2013, Texas Humane Heroes tem oferecido aos veteranos do nosso programa adopções a metade do preço através de locais de abrigo em Leander e Killeen.

Steve passou algum tempo com Ernie no abrigo. Eles foram passear e brincaram juntos. A busca tinha terminado.

O veterano de combate reformado soube que Ernie passou quase 200 dias sem abrigo – a maior parte da sua vida muito jovem – entre os Texas Humane Heroes e o anterior abrigo do qual foi transferido.

“Ele estava muito nervoso, e demorou algum tempo a aquecer”, recorda. “Mas eu apenas sabia que éramos um bom ajuste”

O CÃO CEGO E SURDO É O COMPANHEIRO DE BATALHA PERFEITO
Steve arranjou maneira de fomentar o cachorro com necessidades especiais enquanto se candidatava ao nosso programa. Uma vez em casa juntos, a primeira ordem de trabalhos do veterano foi renomear o seu novo companheiro.

“Pensei que com a minha formação militar e a patente que tinha, era apenas adequado ter um soldado, alguém que eu pudesse mandar por aí”, brinca.

Steve e Private foram oficialmente adoptados em Dezembro de 2020. Nessa altura, o Private tinha-se adaptado totalmente ao seu novo espaço de vida e a dupla encontrou uma forma inovadora de comunicar.

“Se eu precisar de chamar a sua atenção, estalarei os dedos, e isso normalmente funcionará”, diz Steve. “Ou se ele estiver perto de algo que eu possa tocar, ele responderá à vibração”

O Private também tem uma forma engenhosa de chamar a atenção de Steve.

“Ele adora ser animal de estimação. O seu ponto doce está mesmo debaixo do queixo, onde o seu focinho encontra o seu pescoço. Ele adora ser esfregado ali”, partilha o veterano. “Se eu parar de o acariciar, ele põe-me as patas em cima para mais. É como se ele dissesse: “Como te atreves a parar?””

“ELE É MEU AMIGO”
O particular tem outros hábitos encantadores. Ele gosta de encontrar os sapatos do Steve e atirá-los ao ar. A meio da noite ele levanta-se para jogar. Ele sai-se bem nas caminhadas, navegando por árvores e troncos com facilidade. E depois há a porta.

“Para um cão com deficiência visual, ele gosta realmente de olhar para fora da porta”, diz Steve.

No entanto, o Private parece adorar andar no carro acima de tudo. Tanto assim que Steve tem de andar do lado direito do Private para o impedir de fazer uma linha recta em direcção ao carro cada vez que sai de casa.

“Ele está obcecado em andar de carro comigo”, diz ele. “Ele quer sempre entrar no carro e ir dar uma volta”

O Steve fica com um pontapé nos caprichos do seu companheiro de batalha e não o mudaria nem um pouco. Aquele soldado é cego e surdo, o que o torna ainda mais perfeito.

“O soldado é meu companheiro”, diz ele. “Ele é meu companheiro”

“…COMO UMA ESTRELA DE ROCK”
Steve apresentou lentamente Nathan e Cole ao Private. Demorou algum tempo a aquecer, mas o trio dá-se bem.

“Eles sabem que ele tem necessidades especiais, tal como eles têm. Têm um laço especial dessa forma”, partilha ele. “Sabem onde lhe fazer festas e não o atacar demasiado depressa. Eles são muito bons com ele e ele é muito bom com eles”

O veterano do Exército regressou recentemente ao Texas Humane Heroes com os seus filhos e Soldado. Antes disso, compraram artigos de estimação e brinquedos para doar ao abrigo. Foi um dia divertido para todos, incluindo o seu cão cego e surdo.

“O privado é lá como uma estrela de rock. O pessoal amava-o quando ele lá estava, e estavam tão entusiasmados em vê-lo novamente”, diz Steve. “Todos tiraram fotografias dele e enviaram-nas aos seus amigos que não estavam a trabalhar naquele dia. Os rapazes pensaram que estavam na companhia de uma verdadeira estrela de rock por causa da atenção que o Private estava a receber”

Para Steve, Private é mais do que uma estrela de rock; o cachorro com necessidades especiais é a sua rocha. O outrora apenas veterano desfruta agora da camaradagem especial que um cão de abrigo pode proporcionar.

“É uma grande alegria e conforto estar por perto”, diz o reformado. “Ele deu-me aquele pouco de companheirismo que me faltava”

UMA FORMA NATURAL DE STRESSAR MENOS
Steve dedicou grande parte da sua vida ao serviço da nossa nação. Ele suportou múltiplas viagens de combate e lidou com os impactos prolongados do TBI e do PTSD. Mas a sua realização mais importante foi ser um pai dedicado a dois jovens rapazes que – graças a ele – têm um irmão canino muito especial.

Parece apropriado que Steve tenha adoptado um cão cego e surdo. É preciso uma pessoa de compaixão única, paciência, e um coração amoroso para escolher um animal de estimação com desafios para toda a vida. E o Soldado sabe disso.

“Ele é um pouco mais atento”, diz ele.

Steve encoraja outros veteranos solitários a considerar a adopção de um animal de estimação. Mas se a adopção não é uma opção, simplesmente passar tempo num abrigo tem também grandes benefícios.

“Vá para um abrigo e visite os cães ou gatos. É uma excelente forma de aliviar o stress e a ansiedade, e você sai de lá sentindo-se feliz”, diz ele, acrescentando, “Nunca conseguiria um cão que não fosse um cão de abrigo”

Partilhe a história para difundir a consciencialização e aplique também a Pets for Patriots quando estiver pronto para adoptar.

Originalmente visto em petsforpatriots

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments